Poema seguido zangado. Março - 2011

Zangado comigo próprio. Preciso de uma fábrica. Não de um lápis. Não de um tiro nem de violência. Não de segurança. Preciso só de uma fábrica inteira que me arranque vivos os braços e a cabeça.

Pesquisar